• O caso de "Julia", a paciente possuída
  • Iniciado por Mestre Cruz
0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.
  • Mestre Cruz
  • Hero Member
  • *****

    • 914

    • Masculino
    • Outubro 17, 2019, 04:58:05
    • Vila Real
  • mais
O caso de "Julia", a paciente possuída
em: Setembro 25, 2018, 06:08:11
É muito raro que episódios de possessão sejam descritos por cientistas, já que normalmente são encarados como resultado de problemas mentais ou simples fraudes. No entanto, em 2008, o psiquiatra Richard E. Gallagher, professor da Faculdade de Medicina de Nova York, documentou o caso de uma paciente apelidada de “Julia”, a qual o médico acreditava estar possuída pelo demônio.

A jovem, conhecida como Julia, tinha sido uma satanista proeminente, parecia ter alguns poderes e habilidades ocultas e psíquicas. Ela concordou em ter sua história publicada, desde que seu nome verdadeiro não fosse revelado e todos os detalhes não fossem mencionados.
Uma das coisas que torna este caso particularmente único, é a qualificação do pesquisador. Richard E. Gallagher, professor Associado de Psiquiatria Clínica da New York Medical College e graduado da Universidade de Princeton. E, estas são apenas algumas de suas credenciais.

Julia, uma mulher caucasiana, um pouco madura, residente nos Estados Unidos, havia consultado-se previamente com o clero local e foi encaminhada a um padre para obter ajuda. Desde o início, Julia estava convencida de que ela estava sendo atacada por um demônio ou o próprio Satanás. Gallagher foi levado para emitir um parecer psiquiátrico e médico.

Criada como católica, Julia já não praticava sua fé, mas afirmou que ela sentiu que talvez fosse necessário o rito católico de exorcismo. Ela era uma mulher muito inteligente e foi consistentemente lógica ao longo de sua provação. Gallagher havia determinado que ela estava "em nenhum caminho psicótico".

Na presença de testemunhas, ela iria entrar em um transe que foi quase sempre acompanhado por algum tipo de fenômeno. Ela fez ameaças, obscenidades, insultos e até mesmo frases como: "Me deixa, seu padre imbecil", "Ela é nossa" e "Deixe-a sozinha".

A voz variou de alta frequência para o masculino, mas a maior parte dos comentários de Julia mostravam um profundo desprezo por tudo o que era sagrado ou religioso. Quando ela despertou do transe, afirmou não se lembrar de nada do que havia dito.

Como o caso era tão complexo, uma equipe foi montada para ajudar. Durante telefonemas para organizar o grupo que iria se reunir, as mesmas vozes que ela havia feito durante o transe interrompeu as linhas telefônicas. Novamente, essas vozes estavam dizendo-lhes "Deixe ela em paz", "Ela é nossa" e "Saia de perto dela."

Mesmo quando ela não estava em transe, objetos caiam das prateleiras e ela descrevia acontecimentos que ela não tinha como saber das vidas de pessoas próximas. Muitas vezes, ela revelava detalhes sobre parentes, mortes, doenças e outros detalhes pessoais sobre os membros da equipe, alguns dos quais ela nunca tinha encontrado antes. Ela ainda descreveu a decoração de alguns dos membros das casas da equipe.

Embora o exorcismo tivera começado em um dia quente, a sala rapidamente tornou-se fria. Como Julia começou a fazer ruídos estranhos e falar, alguns dos membros começaram a suar profundamente. Em seguida, um calor insuportável dentro do quarto foi sentido por todos os participantes.

Na primeira tentativa, ela entrou em um transe tranquilo, mas depois as invocações e orações continuaram por um tempo. Várias vozes sons começaram a sair de Julia. Ela fez sons de animais, rosnava alto e falou em várias línguas estrangeiras, incluindo latim e espanhol.

Ela também exibiu uma força tremenda. Em certo ponto, cinco pessoas estavam lutando para segurá-la. Por cerca de meia hora, Julia levitou cerca de seis centímetros no ar. Durante as duas cerimônias realizadas, ela revelou também dados ainda mais alarmantes sobre os membros da equipe e suas famílias.

Ela também mostrou reações diferentes quando lhe jogaram água comum e água benta. Quando jogaram água comum sobre ela, ela não mostrou nenhuma reação. Mas, quando a água santa foi usada, Julia gritava de dor.

Um dos fatos mais preocupantes sobre este caso é que, embora os ritos de exorcismo parecessem ajudar Julia, a possessão demoníaca permaneceu sem solução no momento em que a documentação foi liberada. O único conforto é que quando Julia não estava sob o transe como estados, ela era completamente normal e não sofrem de qualquer doença mental. Ela nunca manteve memórias das cerimônias de exorcismo.


  • Gosto    Nao Gosto    Supreendido    Medo    Triste    Sorriso    Terror    Piscar    Desconfio    Lágrimas
Especialista em Trabalhos de Ocultismo.
https://mediumcruz.com